HomeNossa HistóriaArtigosFotosVideosNotícias
MinistériosDownloadsCadastre-seFale ConoscoLocalização
 
 
 COLUNISTAS
   Carla Alecrim
   Dom Alberto Taveira
   Dom Sérgio Eduardo Castriani, CSsP
   Frei Sebastião F., ofmcap
   Frt. Inácio da Trindade, sjs
   Ivanildo Jr
   Lucimar Maziero
   Padre Flávio Sobreiro
   Papa Bento XVI
   Papa Francisco
   Papa João Paulo II
   Pe. João Evangelista, sjs
   Pe. Micael de Moraes, sjs
   Ronnei Peterson
 
 CATEGORIAS
   **Mostrar tudo
   **Artigo
   **Bispos
   **Espiritualidade
   **Formação
   **Formação Humana
   **Liturgia Diária
   **Ministérios
   **Notícias
   **Papa
   **Raio-x do Servo
   **RCC
   **Sacerdotes
   **Santo do Dia
   **YouCat
 
Artigo: A Escritura diz...
Data: 31/10/2013
Colunista: Dom Sérgio Eduardo Castriani, CSsP
Categoria: **Bispos

Existe uma maneira católica de ler a Bíblia? Sim, para a Igreja a liturgia é o lugar privilegiado da proclamação da Palavra. Na Eucaristia Cristo está realmente presente nas duas mesas, a da Palavra e a do Pão e do Vinho. Nas Igrejas, ao lado do altar temos o ambão que de acordo com as normas litúrgicas tem a mesma dignidade. Esta forma de ler e proclamar a Palavra mostra claramente que a leitura bíblica é antes de tudo um ato eclesial, isto é, da Igreja e que a leitura individual embora importante e fundamental, está num outro plano.

A Igreja tem um ciclo de leituras na liturgia diária e na dominical. Num ciclo de três anos quem for à missa todos os domingos escutará praticamente a Bíblia inteira. O mesmo na liturgia diária, só que neste caso num ciclo de dois anos. É significativo que na liturgia não é o celebrante que escolhe as leituras a serem proclamadas, mas é a Igreja, evitando assim toda a tentação de manipulação do texto sagrado e de certa forma forçando os que fazem a homilia a descobrir através do estudo e da meditação o que Deus quis e quer falar para o seu povo, numa busca constante e comunitária da vontade de Deus que se revelou na história  de maneira definitiva em Jesus Cristo.

Uma característica da leitura bíblica na Igreja católica é que ela sempre leva em conta que o texto tem um contexto. Nenhum texto bíblico existe isolado. Ele foi escrito num contexto histórico e cultural. O texto é de origem divina, mas também é humano. Daí a necessidade dos estudos bíblicos, do conhecimento das línguas nas quais a bíblia foi escrita, dos contextos geográficos, políticos e sociais em que a revelação se deu. No entanto também é preciso conhecer o contexto em que a bíblia está sendo lida. A revelação de Deus continua, muito embora a Igreja considere normativa a revelação contida nos livros canônicos, que, aliás, foram assim definidos pela Igreja. A Igreja existe antes das Escrituras neo testamentárias que foram escritas pelas primeiras comunidades.

No Brasil temos a experiência da leitura da Bíblia a partir da vida, quando se procura tirar as consequências práticas da palavra lida e meditada. Uma outra maneira de ler a bíblia, sempre presente na história da Igreja é a arte que brota das Sagradas Escrituras. Nas grandes catedrais através dos vitrais, mas também nos ícones e imagens, na música sacra, no teatro e no cinema, a palavra de Deus se torna arte e se propaga através do belo.

Há sempre o perigo da manipulação da Palavra. Por isto a Igreja católica, mesmo incentivando a leitura pessoal das Sagradas Escrituras lembra que existem critérios de leitura que a experiência eclesial foi solidificando através dos séculos e que se constitui no magistério e na tradição eclesial. Ter o texto sagrado como único critério de revelação e de fé tem sido caminho de encontro com Deus para milhões de pessoas. Mesmo assim a Igreja conserva a sua tradição, consciente dos frutos de salvação que esta tradição e jeito de ser produziu na sua história já longa e provada.


Fonte: Arquidiocese de Manaus
Voltar para página de artigos
Comentários

Nome(requerido)

Email(requerido)




mais comentários clique aqui ...
Todos os direitos reservados a Invictos Tecnologia
Versão 1.0.0.89