HomeNossa HistóriaArtigosFotosVideosNotícias
MinistériosDownloadsCadastre-seFale ConoscoLocalização
 
 
 COLUNISTAS
   Carla Alecrim
   Dom Alberto Taveira
   Dom Sérgio Eduardo Castriani, CSsP
   Frei Sebastião F., ofmcap
   Frt. Inácio da Trindade, sjs
   Ivanildo Jr
   Lucimar Maziero
   Padre Flávio Sobreiro
   Papa Bento XVI
   Papa Francisco
   Papa João Paulo II
   Pe. João Evangelista, sjs
   Pe. Micael de Moraes, sjs
   Ronnei Peterson
 
 CATEGORIAS
   **Mostrar tudo
   **Artigo
   **Bispos
   **Espiritualidade
   **Formação
   **Formação Humana
   **Liturgia Diária
   **Ministérios
   **Notícias
   **Papa
   **Raio-x do Servo
   **RCC
   **Sacerdotes
   **Santo do Dia
   **YouCat
 
Artigo: Origens da homossexualidade no individuo
Data: 01/12/2012
Categoria: **Formação Humana
Pode ser difícil compreender como os genes, o ambiente, e outras influências relacionam-se umas com as outras, como um determinado fator pode 'influenciar' um resultado mas não causá-lo, e como a fé entra nisso. O cenário abaixo é condensado e hipotético, mas é selecionado da vida de pessoas reais, ilustrando quantos fatores diferentes influenciam o comportamento. Note que o que se segue é apenas um de muitos caminhos que podem conduzir à homossexualidade, mas um caminho comum. Na realidade, o caminho de cada pessoa à expressão sexual é individual, porém muitos pontos comuns podem ser compartilhados com os de outros. 
 
(1) Nosso cenário começa com o nascimento. O menino (por exemplo) que um dia poderá vir a enfrentar uma luta com a homossexualidade nasce com determinadas características que são um tanto mais comuns entre homossexuais do que na população em geral. Alguns destes traços foram herdados (genéticos), enquanto outros foram causados pelo desenvolvimento intrauterino (hormonais). Isso significa que um jovem sem estes traços terá menos probabilidade de se transformar mais tarde  num homossexual do que alguém com eles. 
 
Quais são estes traços? Se pudéssemos identificá-los precisamente, muitos deles poderiam ser transformados em dons ao invés de problemas, por exemplo, uma disposição “sensível”, uma criatividade forte, um sentido estético aprimorado. Alguns destes, tais como a maior sensibilidade, poderiam ser relacionados aos traços fisiológicos que igualmente causam o problema, tal como uma resposta à ansiedade superior à média a todo o estímulo dado. 
 
 
Ninguém sabe com certeza apenas o que estas características hereditárias são; presentemente nós temos somente sugestões. Se fôssemos livres para estudar a homossexualidade corretamente (impedidos por agendas políticas)  nós esclareceríamos certamente logo estes fatores – mas apenas estamos fazendo em áreas menos controversas. Em todo caso, não há absolutamente nenhuma evidência de que o comportamento homossexual em si seja herdado diretamente. 
 
(2) Numa idade ainda muito jovem as características hereditárias potenciais marcam o menino como o 'diferente'. Ele encontra-se a si próprio um tanto tímido e incomodado com o típico 'ruge-ruge' (brincadeiras violentas, agitação) de seus pares. Talvez ele seja mais interessado na arte ou na leitura - simplesmente porque ele é esperto. Mas quando mais tarde ele pensar sobre sua vida passada, encontrará dificuldade em separar nestas diferenças comportamentais o que veio de um temperamento herdado e o que era motivado pelo fator seguinte, a saber: 
 
(3) Isso pela razão de que, ele recorda uma dolorosa dissonância entre o que ele necessitava em relação ao que seu pai lhe ofereceu. Talvez a maioria deles concordasse que seu pai era visivelmente (sensivelmente) distante e ineficaz; talvez fosse apenas que as suas próprias necessidades eram tão originais que seu pai, mesmo sendo um homem aceitável, nunca poderia encontrar a maneira correta de atendê-las completamente. Ou talvez seu pai realmente não gostasse e rejeitasse as sensibilidades de seu filho. Em todos os casos, a ausência de uma relação feliz, morna, e íntima com seu pai levou o garoto a afastar-se desapontado, defensivamente, a fim de proteger-se. 
 
Mas, tristemente, este afastamento de seu pai, e do modelo masculino de que ele necessitava, igualmente deixou-o menos capaz de relacionar-se com seus pares masculinos. Nós podemos contrastar este ao menino cujo pai amoroso morre, por exemplo, mas que é menos vulnerável a uma homossexualidade futura. Isso é porque a dinâmica comum no menino pré-homossexual não é meramente a ausência de um pai – literal ou psicologicamente - mas a defesa psicológica do menino contra o seu repetidamente decepcionante (desapontador) pai. De fato, um jovem que forme esta defesa (talvez por terapia precoce, ou porque há uma outra figura masculina importante em sua vida, ou devido ao temperamento) é muito menos propenso a tornar-se homossexual. 
 
Dinâmicas complementares envolvendo a mãe do garoto são igualmente prováveis de terem desempenhado um papel importante. Pelo fato de as pessoas tenderem a casar com outros que têm “neurose de bloqueio,” o menino encontrou-se provavelmente em um relacionamento problemático com ambos os pais. 
 
Por todas estas razões, quando como um adulto ele olha para trás em sua infância, o agora homem homossexual relembra, "No começo eu sempre fui diferente. Eu nunca me dei bem com os meninos da minha idade e me sentia mais confortável em torno de meninas”. Esta memória exata traz-lhe a sensação, de forma convincente, de que a sua homossexualidade estava "pré-programada" desde o começo. 
 
(4) Embora tenha esse afastamento defensivo de seu pai, o menino  ainda carrega silenciosamente dentro de si um anseio terrível pelo calor, amor, e o cerco dos braços do pai que ele nunca pôde ter. Cedo ele desenvolve intensas fixações não-sexuais em relação a meninos mais velhos que ele admira, mas à distância, repetindo com eles a mesma experiência do desejo e da indisponibilidade que teve com o pai. Quando a puberdade se instala, os impulsos sexuais - que podem se unir a todo o objeto, especialmente nos machos - vêm à superfície e se combinam com sua já intensa necessidade por intimidade masculina e calor. Ele começa a desenvolver paixões homossexuais. Mais tarde recorda, “Meus primeiros desejos sexuais foram dirigidos não a meninas, mas a meninos. Eu nunca estava interessado em meninas." 
 
A intervenção psicoterapêutica neste momento e mais cedo pode ser bem sucedida em impedir o desenvolvimento de uma homossexualidade mais tardia. Tal intervenção ajuda o menino a mudar seus padrões efeminados em desenvolvimento, (que se derivam de uma recusa em se identificar com o pai rejeitado), mas também direcionada a ensinar ao pai (se ele conseguir aprender) como tornar-se apropriadamente envolvido e relacionado com o seu filho. 
(5) Quando ele amadurece (especialmente em nossa cultura, onde cedo as experiências sexuais extraconjugais são sancionadas e mesmo incentivadas), o jovem, agora um adolescente, começa a experimentar a atividade homossexual. Ou alternativamente suas necessidades de proximidade para com o mesmo sexo podem já ter sido aproveitadas por um menino mais velho ou por um homem, que rapinaram sexualmente sobre ele quando era ainda uma criança (recorde os estudos que demonstram a incidência elevada dos abusos sexuais no histórico da infância de homens homossexuais). Ou, opostamente, pode ter evitado tais atividades por medo e por vergonha apesar de sua atração a elas. Em todos os casos, seus agora sexualizados desejos não podem meramente ser negados, porém ele pode se esforçar muito contra eles. Seria cruel da nossa parte neste ponto considerar que estes desejos são uma simples questão de "escolha".
 
Certamente, ele recorda ter passado meses e anos de agonia tentando negar completamente a existência desses desejos ou os afastando, inutilmente. Alguém pode facilmente imaginar como é justificada a sua irritação quando mais tarde alguém o acusar ocasional e irrefletidamente de "ter escolhido" ser homossexual. 
 
Quando ele procura ajuda, ouve uma de duas mensagens (e ambas o deixam terrificado): “Os homossexuais são pessoas más e você é uma pessoa má por que escolheu ser homossexual. Não há nenhum lugar para você aqui e Deus providenciará que você sofra por ser tão mau” ou “A homossexualidade é 'de nascença' e imutável. Você nasceu dessa maneira. Esqueça sobre seu sonho de conto de fadas de casar e de ter filhos e viver em uma casa pequena com uma cerca de piquetes brancos. Deus o fez da maneira que você é e o destinou para a vida gay. Aprenda a apreciá-la." 
 
(6) Em algum momento, ele se deixa levar por seus profundos desejos para o amor e começa a ter experiências homossexuais voluntárias. Ele descobre - possivelmente para seu horror - que estes velhos, profundos e dolorosos desejos são, pelo menos temporariamente, e pela primeira vez, compensadores. 
 
Embora ele deva também às vezes sentir um conflito intenso, ele não pode deixar de admitir que o prazer é imenso. O sentimento provisório de conforto é tão profundo - indo bem além do mero prazer sexual, que qualquer um se sente em uma situação menos preocupante – o que reforça poderosamente a experiência. Assim, por mais que ele possa se esforçar, ele será conduzido poderosamente para repetir a experiência. E quanto mais ele faz, está reforçado mais e mais que ele repetirá outras vezes, embora frequentemente o senso de diminuição retorne.
 
(7) Ele igualmente descobre que, tanto quanto para qualquer um, o orgasmo sexual é um apaziguador poderoso das aflições. Engajando-se em atividades homossexuais, ele cruza um dos limites mais críticos e fortemente reforçados do tabu sexual. É agora fácil para ele cruzar também outros limites do tabu, especialmente o significativamente menos severo que se refere à promiscuidade. A atividade homossexual logo se transforma no fator central na organização da sua vida, enquanto adquire lentamente o hábito da troca regular de parceiros - não apenas por causa de sua necessidade original do calor paternal do amor, mas para aliviar sua intensa ansiedade.


[continua...]
 
 
 
Autor: SATINOVER, Jeffrey. In: “A Interação Complexa dos Genes e do Ambiente: Um modelo para a Homossexualidade
Fonte: Juventude Coragem
Voltar para página de artigos
Comentários

Nome(requerido)

Email(requerido)




mais comentários clique aqui ...
Todos os direitos reservados a Invictos Tecnologia
Versão 1.0.0.89